palco vazio

 

CONCLUSÕES

 

 

Considerando que cada um de nós temos ESSE CONTRATO FUNDAMENTAL enquanto seres humanos e que nos esquecemos das clausulas e não encaramos a nossa realidade como HUMANOS, podemos concluir que:

 

  • CRESCER…não significa deixar de ter problemas…mas aprender a lidar com eles.

 

  • A pessoa madura continua tendo problemas e limitações, tendências negativas e egocêntricas, IMPULSOS VITAIS que podem provocar ações que irão CONTRA o que cremos ser CERTO, VERDADEIRO, ÉTICO e HONESTO.

 

  • A diferença entre uma pessoa imatura e uma pessoa MADURA é que a IMATURA vive dominada por seus mecanismos INCONSCIENTES, enquanto a MADURA tem consciência deles e sabe lidar com eles de forma livre!

 

  • CRESCER é substituir um conjunto de problemas, por outro conjunto melhor de problemas.

 

  • SENTIR não é PECADO! Todos os sentimentos e emoções são lícitos! O modo de CANALIZÁ-LOS é que pode ser ou não ADEQUADO.

 

  • Se não nos aceitarmos COMO SOMOS….Se não entendermos que não somos nem deuses e nem demônios….JAMAIS seremos felizes.

 

  • A forma como LIDAMOS com a NOSSA REALIDADE, depende nossa felicidade!

 

  • Qual é o PROBLEMA? O problema não é o problema, mas a FORMA como ENCARAMOS o problema….às vezes, problemas a gente não evita e nem muda….DEPENDE muitas vezes da FORMA como ENCARAMOS esse problema.

 

  •  Nós queremos ser melhores que Deus quando não nos aceitamos como somos. SALMO 103 “Porque Ele sabe de que barro nós somos feitos e se lembra que apenas somos pó”.

 

 

GUARDEM DUAS REGRAS:

 

 

Primeira: Não se preocupe com as coisas pequenas!

 

Segunda: Todas as coisas são pequenas!

 

GUARDEM DOIS CONSELHO;

 

Aos PESSIMISTAS DESESPERADOS: “Nós humanos somos como as estrelas do mar, ressecadas na beira da praia, se colocadas na água, RENASCEM! Ser humano também tem as suas vantagens, não se esqueçam disso!

 

Aos POSTERGADORES FOLGADINHOS (que vivem deitados eternamente em berço esplêndido): “Aquele que vê o mundo aos cinqüenta anos, da mesma forma que o via aos vinte, desperdiçou trinta anos de sua vida”.

 ( Uma adaptação de Domingos da Cunha )

 

CONSIDERAÇÕES:

 

 escada de jacó - PORTINARI

1)    A escada dos MITOS

 

Na TAREFA do CRESCIMENTO HUMANO e da BUSCA DA MATURIDADE por vezes subimos – ou descemos – os degraus: começamos como Prometeu, depois viramos Sísifo e revoltados viramos Narciso que ignora tudo o que não é espelho.

 

CLARO QUE NÃO! Nós podemos simplesmente SER HUMANOS.

 

Ex 1. –  A Jovem que após anos de PROLONGADO ESFORÇO PESSOAL tentando se aperfeiçoar…chegou arrazada e descarregou de uma vez dizendo: “Diga-me! Diga-me por favor por que isto aconteceu comigo? Porque eu estava indo tão bem e tive esta RECAÍDA?” O padre respondeu:”Não sei…com você, não sei…nós, humanos….somos assim!”

 

Ex. 2. – Um rapaz vocacionado passou anos pedindo a DEUS que lhe tirasse o MEDO. Com o tempo, desistiu por entender que Deus não lhe respondeu e entendeu que isso era um SINAL de que Deus não o queria no lugar a que se SENTIA chamado…desabafou com um Padre o peso de seu fardo e o padre lhe respondeu: “Você é muito pretencioso! Deus não tirou o MEDO de Jesus…e iria tirar de você? …e ele acabou percebendo que não precisava DEIXAR DE SENTIR MEDO para ser feliz e seguir o seu caminho.

 

 PAPIRO EGÍPCIO

2)    O CONTRATO

 

 

Ao nascermos assinamos um CONTRATO e é IRREVERSÍVEL e IRREVOGÁVEL.

 

O que reza nesse contrato é: AO LONGO DA NOSSA EXISTÊNCIA nos depararemos com obstáculos e problemas, como doenças, reveses de toda a sorte, acidentes e outros imprevistos. NO MESMO CONTRATO, fala ainda que, como seres humanos, nós somos POR DEFINIÇÃO IMPERFEITOS e CONTRADITÓRIOS; sujeitos a limitações e erros!

 

 

 Amnesia 73X94cm oleo tela 2005 - LUDMILA

3)    O ESQUECIMENTO das clausulas contratuais

 

 

Sofremos quando nos deparamos com essas realidades é muito difícil aceitarmos as nossas IMPERFEIÇÕES e CONTRADIÇÕES. SOFREMOS por que somos sujeitos a LIMITAÇÕES e ERROS.

 

É difícil entender que da IMPERFEIÇÃO HUMANA surjam IMPULSOS VITAIS e incontroláveis na maioria das vezes. Impulsos que PREVALECEM sobre tudo o que cremos ser certo, honesto, VERDADEIRO E ÉTICO.

 

Esses impulsos podem incitar AÇÕES que nos levem a nos arrepender e amargar conseqüências terríveis.

 

OLHAR para isso do jeito certo é FUNDAMENTAL para que possamos APRENDER a perdoar, anos mesmos e aos outros.

 

Não somos ANJOS e nem DEMÔNIOS, somos só SERES HUMANOS, basicamente IMPERFEITOS e FALÍVEIS.

 

ATENÇÃO; Quando afirmamos a nossa imperfeição e confessamos a nossa FINIUDE e LIMITAÇÃO, mas acima de tudo, AFIRMAMOS que o SER HUMANO é A P E R F E I Ç O Á V E L.

 (  A CONCLUSÃO ESTÁ NA PRÓXIMA PUBLICAÇÃO )

 

 

 

Os MITOS, as TENTAÇÕES da Maturidade ou do Crescimento Humano.

(uma adaptação de Domingos Cunha)

 

* Os MITOS de Prometeu, Sísifo e Narciso.

 

 

 mito prometeu

O MITO DE PROMETEU.

 

– Prometeu rouba o fogo do céu dos deuses do Olimpo.

– O fogo simboliza a capacidade de TRANSFORMAR coisas.

– Ele passa a dominar o SEGREDO de transformar coisas.

– Ele não precisa dos deuses.

 

 

A tentação de Prometeu:

 

Acreditar em soluções mágicas, segredos que se descobertos nos transformarão de repente e de vez como que num passe de mágica.

 

O nosso FOGO MÁGICO transformará todos os nossos defeitos e dificuldades.

 

Finalmente não seremos mais frágeis, limitados, vulneráveis…., enfim, deixaremos de ser HUMANOS e seremos super “alguma coisa”, seremos como os deuses: INVULNERÁVEIS, PERFEITOS, ONIPOTENTES.

 

 MITO_DE_SISIFO_800

O MITO DE SÍSIFO.

 

– Sísifo vivia carregando uma PEDRA até o alto de um monte.

– Vivia curvado sob o PESO encosta acima.

– E toda a vez que ia chegando ao TOPO….

– Desfalece e a PEDRA rola sobre ele e o esmagada sem dó e nem piedade.

 

 

A tentação de Sísifo:

 

É a maior de todas as TENTAÇÕES.

 

Tudo se resolve pelo esforço pessoal, pelo autocontrole, censura e cobrança cega, afinal, diz a bíblia, “esforça-te”, “Buscai a Deus!”, “chegai-vos a Deus!”. Faça a sua parte.

 

Viver perseguindo a perfeição pessoal, afinal, “sede perfeitos como o vosso Pai Celeste é perfeito” e “sede santos como Ele é santo!”.

 

Passar a vida carregando os nossos pesos (marcas pessoais, e vivemos lutando contra elas na ILUSAO de que um dia destruí-las, aniquilá-las) UM DIA CHEGAREMOS AO TOPO DA PERFEIÇÃO.

 

Até conseguimos carregar esses pesos por algum tempo. Alguns resultados de nossa força SOBRE-HUMANA nos animam a continuar….mas…..quando achamos que estamos CHEGANDO…..

 

Acabamos destruídos pelas energias que tentamos REPRIMIR durante tanto tempo!

 

Começamos a fazer parte da PROCISSÃO dos PENITENTES cheia de neuróticos iludidos COM O MITO DE SÍSIFO.

 

 NARCISO

O MITO DE NARCISO.

 

– Narciso encantou-se com a sua imagem refletida no espelho de água do lago.

– E ficou contemplando a sua beleza.

– Entregou-se ao olhar egocêntrico de contemplar o seu próprio UMBIGO. (os umbigólatras )

– Mergulhou em sim mesmo esquecendo-se e desinteressando-se de tudo e todos à sua volta.

 

 

A tentação de Narciso:

 

É a preferida de nossos tempos. A cultura Narcísica está no altar mais elevado recebendo os mais altos louvores.

 

Ser Narciso é o único caminho para A FELICIDADE. São os que rezam na cartilha do carpem die, fechando-se em si mesmos na busca da própria e maravilhosa IDENTIDADE.

 

É a ditadura do INDIVIDUALISMO. O que importa é a satisfação dos próprios DESEJOS, CAPRICHOS, NECESSIDADES, CRITÉRIOS.

 

Prazer já, Sofrimento nunca!

 

Crescer não interessa! Viver…do jeito que der – isso é tudo!

( CONTINUA na próxima publicação )

Desci aos Infernos….confissões de um sábio que mora em nós

Por Domingos Cunha

 

O Inferno de Dante Alighieri. Dante e Virgílio no Inferno, quadro de William-Adolphe Bouguereau

O Inferno de Dante Alighieri. Dante e Virgílio no Inferno, quadro de William-Adolphe Bouguereau

 

Desci aos infernos e vi que existem demônios. Há anjos também, dentro de nós! Vi que não são tão feios quanto os pintam, os chifres desses demônios. Dá para encarar e segurar pelos chifres! Ouvi um dia que “a religião é para aqueles que têm medo de ir para o inferno…e a espiritualidade é para aqueles que já estiveram lá”. Aprendi que assim se faz verdade, quando descendo mais fundo do poço, sentimos o nosso nome escrito na palma da mão carinhosa de um Deus Pai e Mãe, que de lá nos resgata para uma vida mais humana, quando nos descobrimos amados do jeito que somos!

 

Andei com São Jorge enfrentando os dragões e muitos eu matei, mas sempre ressurgiam mais fortes! Dei-me melhor com Santa Marta, que deu conta de domesticar seu dragão e ele se tornou guarda-costas dela. Aí me lembrei de São Paulo e entendi porque é que “quando sou fraco é que sou forte”.

 

Será?

Será?

Vi aquele velho sábio acalmar o povo na beira da praia, antes apavorado com o monstro que do mar subia todo o final de tarde e causava pânico na aldeia…e quando o velho sábio conseguiu que o povo, sentado na beira da praia, olhasse o monstro emergindo e dele falasse…..o monstro sumiu por onde tinha surgido, porque os fantasmas existem quando neles acreditamos e por eles nos deixamos oprimir, até que, enfrentamos, eles somem!

 

Vi aquele homem ficando cego e caindo no desespero quando a cegueira tomou conta dele definitivamente. Ouvi seu lamento e sua revolta, do fundo de sua alma com a vida….e vi um dia esse velho homem colocar a mão no ombro da cegueira e abraçá-la…e nesse dia, embora continuando cego, seu rosto voltou a sorrir!

 

Compreendi o enigma de Carl Jung, quando dizia que “o ser humano não se torna humano ao imaginar figuras de luz, mas ao conscientizar-se da escuridão” e ouvi Caetano Veloso cantando na rádio que “cada um sabe a dor e a alegria de ser o que é...”

 

Dediquei-me à arte de domesticar dragões e alguns dei conta de domesticar….embora um dragão seja sempre um dragão e sempre carregue em si uma ameaça que pode emergir a qualquer momento. Isso me fez pensar que sempre é bom estar com “um olho no gato e outro no peixe”, e depois me lembrei novamente do grande psicólogo Paulo de Tarso, graduado na escola do amor de Deus, quando dizia que “quem está de pé, cuide para não cair e quem caiu cuide de se levantar!” Batizei muitos dragões, pois convém dar-lhes um nome para que aprendam a conhecer a sua voz!

 

Não se engane São Jorge..., não se engane!

Não se engane São Jorge..., não se engane!

Andei um tempo na companhia daquele velho monge que vivia mudando de convento, por nunca se sentir bem e ao perceber que ao fim de um tempo suficiente, tudo ia mal. E um dia vi o monge assustado, quando depois de arrumar a mala para se mandar em busca de novo convento, ouviu um estranho dizer no fundo de seu quarto: “Eu sou o seu Ego…e se você está fugindo de mim, não adianta, porque para onde você for eu também vou!”.

 

Essas andanças me ensinaram que o problema não são os problemas, mas a maneira que encaramos os problemas! E depois percebi que “crescer é substituir um conjunto de problemas por outro conjunto melhor de problemas”. Foi bom encontrar essa resposta, para entender que a pessoa madura continua tendo problemas e o amadurecimento significa tão-somente que estamos aprendendo a lidar com os problemas.

 

Nunca engoli direito aquele conselho do “sede perfeitos como o Pai do Céu é perfeito”, por não entender como poderia Ele querer perfeito o que Ele mesmo havia criado de barro….mas depois me traduziram essa frase por “sede santos como o Pai do Céu é santo” e explicou, a própria vida, que ser santo é bem diferente de ser perfeito! Aí me lembrei de grandes santos, conscientes de sua santidade e ao mesmo tempo se confessando grandes pecadores! Perfeitos não seriam, por terem a imperfeição do pecado….mas eram santos, por assumirem suas fraquezas e no meio delas se experimentarem profundamente amados por Deus! Ficou então combinado como coisa aceita e clara, que perfeição era esforço nosso e ilusão de super-homem, enquanto santidade era a ação de Deus em nós!

 

E nessas idas e vindas, no meio de trevas e luzes, Deus me ensinou o enigma do caminho de ser: crescer é descer e para ser mais é preciso ser menos!

 

Concordei então que era bom ser humano….pois até o próprio Deus achou bom tornar-se humano! Li no livro de Eclesiastes que não adianta querermos endireitar o que o próprio Deus criou torto…e aprendi a beleza que há na imperfeição e a perfeição que mora no limitado!

 

Comi o pão que o diabo amassou, mas acabei descobrindo, no meio de suor e lágrimas, que não adianta viver mendigando dos outros ou das situações ou daquilo que fazemos, o amor e a segurança e o reconhecimento que só nós mesmos poderemos nos dar….ou aceitar gratuitamente ao nos deixarmos mergulhar na experiência do Amor de Deus.

 

No meio de muita prose encontrei um verso de Fernando Pessoa dizendo assim: “a criança que fui chora na estrada. Deixei-a ali quando vim ser quem sou; mas hoje, vendo que o que sou é nada, quero ir buscar quem fui onde ficou!” E achei lindo, como caminho a ser feito cada dia, sabendo que o caminho “se faz caminhando”.

 

Um dia alguém me disse que há DUAS REGRAS de bem viver: a primeira reza que não devemos nos preocupar com as coisas pequenas e a segunda decreta que todas as coisas são pequenas.

 

Acabei aceitando, não sem antes ter resistido muito, que vemos os outros não como eles são, mas como somos e que há alguma coisa muito errada se estamos sempre certos!

 

Quando fui conhecendo um pouco do mistério que eu sou, entendi que não devemos exaltar nossos “dons” nem dramatizar os nossos “pecados”! Cansei de ouvir Zé Ramalho cantando que “sentimento amordaçado volta a incomodar” e depois aprendi que todo sentimento é lícito….a maneira de canalizá-los é que pode ser adequada ou não…e aí São Paulo deu pitaco novamente, dizendo que, “se estiveres com raiva, toma cuidado para não caíres em pecado!” Experimentei que deixar fluir os sentimentos que incomodam e dar-lhes nomes e expressão…é segredo para viver em paz por dentro deste mundo encantado.

 

Acabei encontrando mais um velho pergaminho do Apóstolo Paulo, dizendo que somos vasos de argila carregando um tesouro…e ouvi o salmista cantando que Deus sabe de que tipo de barro somos feitos e lembra-se que apenas somos pó!

 

E no meio desse barro frágil e cheio de rachaduras, encontrei um velho contrato que eu mesmo assinei ao nascer e vi nele duas cláusulas que me chamaram a atenção, por quase sempre as ter ignorado: os problemas e os reveses fazem parte da vida, assim como os altos e baixos; por sermos humanos, somos imperfeitos e falíveis, vulneráveis e frágeis! Essa coisa de sermos imperfeitos ainda me deixou “encucado” durante um bom tempo….mas um dia acordei feliz por descobrir que ao dizer que somos imperfeitos, falamos também que somos aperfeiçoáveis!

 

Contaram-me que Maomé havia dito: “Se te conheceres a ti mesmo conhecerá a Deus!” E lembrei que também Tereza de Ávila falou que a “melhor maneira de se chegar ao conhecimento de Deus é através do conhecimento de si mesmo!”

 

E enquanto termino estas divagações pelas minhas memórias, ouço no pé do meu ouvido Belchior cantando que “viver é melhor que sonhar”….e me lembro que Milton Nascimento também canta “já não sonho, hoje eu faço com meu braço meu viver”. Mas, que de repente, me veio lá da fonte uma vontade de implicar, dizendo que ninguém vive sem sonho e que o sonho, se é para ser sonho, que seja grande! No mesmo canto ouvi dizer que “qualquer canto é menor que a vida”, mas lembrei de outro poeta dizendo que “o sonho comanda vida e sempre que a gente sonha o mundo cresce e avança...”

 

Hoje eu não brinco de ser deus, invulnerável e onipotente….mas assumo que sou humano e isso me ensinou que o ser humano tem asas e é capaz de voar, sem tirar os pés da terra e do barro de que ele é feito!

 

Mas….para chegar a voar,

Foi preciso ter decido aos infernos!

Cante com BELCHIOR

 

 

Se não lembra a letra…., cante com Elis……

 

 

 

 

A Verdadeira BUSCA DE SI

setembro 29, 2009

La bocca della Verità ou MARFÓRIO????????

La bocca della Verità ou MARFÓRIO????????

 

 

Faça mais do que existirVIVA.

Faça mais do que tocarSINTA.

Faça mais do que olharOBSERVE.

Faça mais do que lerABSORVA.

Faça mais do que escutarOUÇA.

Faça mais do que ouvirCOMPREENDA”.

 

John H. Rhoades

 

 

 

À direção de SI MESMO, eis o grande desafio do ser humano em todos os tempos.

 

Nós precisamos perceber melhor esse ser único que somos nós mesmos, pois sem essa percepção nós continuaremos distorcendo a imagem que temos de nós, dos outros e da vida.

 

Em sua obra Solilóquios, Santo Agostinho fala de duas buscas que estão diretamente relacionadas, a busca do conhecimento de Deus e de si mesmo:

 

 

Que eu te conheça e que eu me conheça”.

 

 

 

Em uma publicação anterior falamos da frase da entrada do templo de DELPHOS, a conhecida CONHECE-TE A TI MESMO que reapareceu no ótimo filme MATRIX quando o herói Neo em seu momento de iniciação vai ao encontro do Oráculo.

 

Para todos os apaixonados pelos conselhos da ARTE DA GUERRA, cabe registrar uma que tem tudo a ver com o que estamos falando:

 

 

Conhecendo a ti mesmo e a teu inimigo, em cem guerras, cem vezes serás vitorioso. Se conheceres a ti mesmo, mas desconheces teu inimigo, tuas chances de perder e de ganhar são iguais. Se desconheces a ti mesmo e a teu inimigo, contarás teus combates por tuas derrotas.”

 

 

Seja lá qual for a motivação, das mais maquiavélicas às mais puristas, o conhecimento de si é fundamental para o êxito.

 

Optar por uma percepção mais honesta de nós mesmos revelará o quanto ansiamos genuinamente por transparência.

 

Afinal, nós exigimos isso dos políticos, empresários, religiosos, enfim, achamos que o mundo seria melhor se houvesse mais honestidade, transparência e verdade.

 

Portanto, sejamos coerentes, busquemos cada vez mais transparência e verdade através de uma procura honesta de quem nós realmente somos.

 

Uma busca que não aceita a proposta da ilusão egoísta que nos ilude o tempo todo com o engodo de que qualquer busca de si (AUTOESTIMA, o AUTODESENVOLVIMENTO e o AUTOAPERFEIÇOAMENTO) deva concentrar-se em si mesmo.

 

Chega de ter coisas só para si, fazê-las só para si e realizá-las ao nosso bel prazer.  

 

Uma busca de si cheia de grandeza que produza qualidade de vida beneficiando aos outros, é disso que estamos falando.  

 

Não é uma busca ensimesmada, não é uma procura umbigolatra

 

Falamos de uma busca que mudará o nosso jeito de olhar bem além de nós mesmos.

 

 

Muda Narciso! MUDA!

Muda Narciso! MUDA!

 

 

O que o POEMA de THIAGO DE MELLO tem a ver com a nossa reistencia em se AUTOPERCEBER?

Narciso Cego

Thiago de Mello

 

 

 

 

Tudo o que de mim se perde

acrescenta-se ao que sou.

Contudo, me desconheço.

Pelas minhas cercanias

passeio – não me freqüento.

 

Por sobre fonte erma e esquiva

flutua-me íntegra, a face.

Mas nunca me vejo: e sigo

com face mal disfarçada.

Oh que amargo é o não poder

rosto a rosto contemplar

aquilo que ignoto sou;

distinguir até que ponto

sou eu mesmo que me levo

ou se um nume irrevelável

que (para ser) vem morar

comigo, dentro de mim,

mas me abandona se rolo

pelos declives do mundo.

 

Desfaço-me do que sonho:

faço-me sonho de alguém

oculto. Talvez um Deus

sonhe comigo, cobice

o que eu guardo e nunca usei.

 

Cego assim, não me decifro.

E o imaginar-me sonhado

não me completa: a ganância

de ser-me inteiro prossegue.

E pairo – pânico mudo –

entre o sonho e o sonhador.

 

CONHECE-TE A TI MESMO: Uma provocação desde a ANTIGUIDADE.

CONHECE-TE A TI MESMO: Uma provocação desde a ANTIGUIDADE.

 

Não sofremos pelas coisas, mas pela visão que temos das coisas”.  

 

 

 

Perceber-se é preciso!

 

 

Precisamos perceber melhor esse ser único que somos nós mesmos, pois sem essa percepção nós continuaremos distorcendo a imagem que temos de nós, dos outros e da vida.

 

Em sua obra Solilóquios, Santo Agostinho fala de duas buscas que estão diretamente relacionadas, a busca do conhecimento de Deus e de si mesmo: “Que eu te conheça que eu me conheça”.

 

Na entrada do templo de DELPHOS está escrito CONHECE-TE A TI MESMO.

 

Os filósofos gregos aproveitaram a frase para as suas lucubrações e a ascética cristã fez dela a base da perfeição.

 

Você se lembra de uma referencia feita a essa frase no filme MATRIX? A frase está na casa quando o herói Neo em seu momento de iniciação vai ao encontro do Oráculo. O oráculo é uma SENHORA NEGRA sentada em um banco de praça, lembrou?

 

Sem a pretensão de esgotar as referencias significativas sobre o conhecer-se a si mesmo, destaco um dos conselhos da ARTE DA GUERRA, a saber: “Conhecendo a ti mesmo e a teu inimigo, em cem guerras, cem vezes serás vitorioso. Se conheceres a ti mesmo, mas desconheces teu inimigo, tuas chances de perder e de ganhar são iguais. Se desconheces a ti mesmo e a teu inimigo, contarás teus combates por tuas derrotas.”

 

Penso ser a maturidade e a qualidade de vida praticamente impossível para uma pessoa que não procura se perceber

 

Entendo que nem todos estarão prontos para compreender essa verdade.

 

Todavia, considero esse o primeiro e significativo passo………….

Do que NÃO estamos falando

setembro 3, 2009

 

A jornada que estamos sugerindo também será compreendida se pontuarmos esclarecendo de saída o que NÃO estamos pretendendo.

 

É bom deixar bem claro que não pretendemos polemizar, constranger ou desprestigiar qualquer pessoa que tenha sido beneficiada – ou trabalhe – com os modelos ou práticas que destacarei a seguir. É só um outro jeito de caminhar.

 

Não estamos falando da AUTOAJUDA que reforça o narcisismo e cegueira para tudo o que é coletivo ou comunitário.

 

Não estamos embasados na Ética da Personalidade – PLN Programa de Neurolinguistica.

 

Não acreditamos em mágicas, milagres ou resultados automáticos quando o assunto é adultecer, amadurecer.

 

Não estamos propondo uma filosofia esotérica, misticismos carpem die ou qualquer proposta antropocêntrica de autoconhecimento.

 

Encerro com Agostinho em seu clássico A TRINDADE ao ensinar sobre a afirmação de que É TOTAL O AUTOCONHECIMENTO DA ALMA.

 

Portanto, pelo fato de a alma toda não se procurar e tampouco nenhuma se suas partes também se procurar, conclui-se que a alma não se procura a si mesma de forma alguma.”

 

SANTO AGOSTINHO

Aos Pés de Santo Agostinho

Aos Pés de Santo Agostinho

 

Temos um Objetivo

agosto 31, 2009

Quem acredita sempre alcança! R.Russo

Quem acredita sempre alcança! R.Russo

Um grupo de profissionais decidiu seguir nessa estrada e estão se reunindo na cidade de São Paulo.

Os Encontros são quinzenais com acompanhamento personalizado e o tema desenvolvido é DECIFRA-TE e RECONCILIA-TE contigo MESMO.

O OBJETIVO dos encontros é o seguinte: Apresentar uma nova visão do eneagrama como um instrumento eficaz para iniciarmos um processo de autopercepção e descoberta de nós e dos outros possibilitando assim uma melhora nos relacionamentos interpessoais, trazendo equilíbrio pessoal, harmonia na família, eficiência no trabalho e engajamento comunitário.

Estamos no começo e podemos perceber e confirmar alguns resultados.

Temos um objetivo e estamos seguindo na Jornada.